• John
  • Felde
  • University of Maryland
  • USA

Latest Posts

  • USLHC
  • USLHC
  • USA

  • James
  • Doherty
  • Open University
  • United Kingdom

Latest Posts

  • Andrea
  • Signori
  • Nikhef
  • Netherlands

Latest Posts

  • CERN
  • Geneva
  • Switzerland

Latest Posts

  • Aidan
  • Randle-Conde
  • Université Libre de Bruxelles
  • Belgium

Latest Posts

  • TRIUMF
  • Vancouver, BC
  • Canada

Latest Posts

  • Laura
  • Gladstone
  • MIT
  • USA

Latest Posts

  • Steven
  • Goldfarb
  • University of Michigan

Latest Posts

  • Fermilab
  • Batavia, IL
  • USA

Latest Posts

  • Seth
  • Zenz
  • Imperial College London
  • UK

Latest Posts

  • Nhan
  • Tran
  • Fermilab
  • USA

Latest Posts

  • Alex
  • Millar
  • University of Melbourne
  • Australia

Latest Posts

  • Ken
  • Bloom
  • USLHC
  • USA

Latest Posts

Denis Oliveira Damazio | USLHC | USA

Read Bio

Why particle detectors need a trigger??

Friday, September 7th, 2012

Portuguese version below…

Nature sometimes demands a lot of effort in order to reveal its secrets. Particle physics, of course, obeys a very similar pattern. Many, many events have to be analyzed in order to find a few that can be really interesting. Let’s take the case of the ever sought Higgs particle. The probability of generating a single Higgs is quite small. Assuming that in the total period from the start of the physics operation in 2010 and ending just before the July 4th, 2012 announcement comprises, in fact, around 450 real LHC operation days, we had, on average, 480 Higgs per day (all numbers in this post are approximative). However, quite unfortunately, most (~60%) of these Higgs decay in a mode (H->bb) which is very easy to confuse with other production modes or (~20%, H->WW) in a mode not so easy to measure precisely its properties. One of the cleanest modes to study the Higgs is its decay into two photons. The photons were detected with the ATLAS calorimeters (see our previous posts). But the quantity of produced events in this mode is much smaller (basically, around 1 per day!). Sometimes, LHC produces more than 30 million collisions per second. Now, imagine that the LHC could only produce a tenth of this number of collisions (3 million), we would have to wait 10 days for a detectable Higgs. Here comes (at last!) our central topic. Given the rarity of Higgs events, the LHC has to produce a ridiculously high amount of events per second to produce a few interesting ones in a practical rate. Given also the fact that Nature loves to produce other events which are very common and very well known, our detectors are filled up with events that are basically junk (background), at least for Higgs search. If we recorded all of the events produced in ATLAS, more than 40 GBs of data storage space would be necessary per second. That would be simply unmanageable!!! So, the only way to have a reasonable data flow and still be able to make physics at a reasonable rate is to select events before recording. That’s what we call the “trigger”.

Immediately two obsessions related to the trigger system appear : reduce as much as possible the huge rates of events faking good signatures (or the data acquisition system of the detector will not handle the stress); highest possible efficiency : never loose a very good candidate of a given signature or you loose the physics event which is exactly why one builds such gigantic machines!! In the case of a lost Higgs, another working day will be necessary! As you will later on the next posts, the algorithms used in the trigger operate always at the limit rate in which they can guarantee a very high efficiency (usually, not too far from 100%).

Finding the Higgs

The complex work of finding the Higgs. Picture downloaded from : http://www.englishblog.com/2012/07/higgs-boson-cartoons.html#.UER8fkRhq6B

ATLAS Higgs to gamma gamma plot

ATLAS Higgs to gamma gamma mass plot. For more information, check the page : https://twiki.cern.ch/twiki/bin/view/AtlasPublic/HiggsPublicResults

The picture above (stolen from many places in the web – see the caption), is not very far from the truth. To find a Higgs, you have to search a lot. See for instance, the official ATLAS plot for the Higgs detection. In this plot, the amount of Higgs candidates shown as an excess is quite small (around 230-250 events in the 4 bins between 122 and 130 GeV). See in the top plot, that this excess shows up in more than 8000 events (around 2000 in each of the four histogram bins). And this after trigger and offline analysis selection, for a very narrow mass range and only for events in which two photons were detected! In principle, we should expect more Higgs (around 400-450), but some are lost because their photons appear too close to the particle beam and ATLAS does not see them (or at least misses one of them and the pair cannot be formed). Others are lost because the requirements to accept a photon as such are very restrictive and the chance of loosing at least one of the two photons is relatively high. So, loosing a fraction of these events is unfortunate, but unavoidable given the experimental conditions. Another remarkable fact is that we cannot necessarily know which 250 events of those 8250 are really related to Higgs. We just know that the Higgs contributed by increasing the rate of possible events in that mass range. The researchers are always trying to find some clever techniques to avoid the 8000 unnecessary events, but this is no trivial task. If a new technique is developed, it would certainly end up included as a trigger algorithm.

As for the “videos” section of this post, I’d like to make a little propaganda about some sources of information. So, I recorded quick working sessions on two tools that are used in the ATLAS Control Room to visualize a small fraction of the acquired events while the experiment is running. The first is directly from the atlas.ch web site, the so called atlas live events (check the link!). It takes around 15 to 20 seconds to change the event. I made a short extract in the video below. Another very nice tool is Camelia that can make 3D images from events coming directly from the ATLAS detector and you can play with them. The important point here is that most of the events displayed (a random sample) are the ones which have very small signal (lots of tracks with low momentum) but almost no important signal (straight lines with some calorimeter activity). If you wait long enough you will eventually see some interesting events. This demonstrates why we need to apply a strong selection to avoid wasting recording time and space with trivial events. You may want to see these in full screen.

I advise also the third video, where I tried to make a quick analysis using a pre-recorded events. First, one finds two jets in a single event (it could be two photons) and later two muons. Summing the muons momenta, we can see that the pair mass (93 GeV/c2) is quite close to a Z boson mass (91 GeV/c2).

In the next post, we will see the three levels of the ATLAS trigger system with increasing complexity and accessing each time more details of the detector. When it gets to the software trigger levels, we will probably have a post about computing in such environment (yes, the trigger software must be fast, even if you have to loose a bit of precision!). If you are interested in understanding how one of these detectors work, I advise a look at my latest 3 posts (first, second and third). You will need that information to understand the trigger.

Portuguese version :

Por vezes, a Natureza exige um grande esforço antes de revelar seus segredos. A física de partículas obedece um padrão similar. Muitos, muitos eventos têm de ser analisados antes de se encontrar alguns que sejam realmente interessantes. Vejamos o caso da famosa partícula de Higgs. A probabilidade de gerar um Higgs é bem pequena. Assumindo que o período total de operação do LHC real em torno de 450 dias em 2010, 2011 e parte de 2012, tivemos, na média, cerca de 480 Higgs por dia (os números discutidos são aproximações). Entretanto, infelizmente, cerca de 60% desses Higgs têm um modo de decaimento (H->bb) que é muito similar à outros processos físicos, e, logo, difícil de detectar. Outro modo de decaimento (H->WW, 20%) é um pouco difícil de ter suas propriedades medidas. Um dos modos mais “limpos” de se detectar o Higgs é o seu decaimento em dois fótons. Estes fótons sensibilizaram os calorímetros do ATLAS (veja posts anteriores). Mas a quantidade de eventos produzidos dessa forma é muito menor (mais ou menos uma vez por dia!). Algumas vezes, o LHC produz mais de 30 milhões de colisões por segundo. Agora, imagine que o LHC produzisse um décimo desde número (3 milhões), teríamos que esperar 10 dias para encontrar um Higgs detectável. Assim, chegamos (finalmente!) no nosso tópico central. Dada a raridade com que eventos possuindo Higgs acontecem, o LHC tem que produzir uma quantidade ridiculamente gigante de eventos por segundo para produzir alguns interessantes numa taxa praticável. Também dado o fato de que a Natureza adora produzir eventos que são já muito conhecidos, nossos detectores são mantidos cheios de eventos inúteis, pelo menos inúteis para a procura do Higgs. Se gravássemos todos os eventos produzidos no ATLAS, seriam necessários mais de 40 GB de espaço de armazenagem de dados por segundo! O manuseio de tantos dados seria impraticável. Ou seja, a única forma de se ter um regime de armazenamento mais razoável e ainda ser capaz de fazer os estudos da física é selecionar os eventos antes de gravá-los. Esse processo é chamado de “trigger” (cuja tradução literal seria disparo).

Imediatamente, vemos dois tópicos que são verdadeiras obsessões no domínio do trigger : redução ao máximo das gigantescas taxas de eventos fingindo ser boas assinaturas (para reduzir o stress sobre o sistema de aquisição de dados); maior eficiência possível : nunca perder um evento interessante que é exatamente o motivo pelo qual construímos essas máquinas gigantescas! No caso do Higgs, isso pode ser traduzir na necessidade de esperar por todo um novo dia de trabalho! Como ficará claro nos próximos posts, os algoritmos usados no trigger operam sempre na taxa em que eles ainda possam garantir altíssima eficiência (usualmente, próximo a 100%).

Finding the Higgs

O trabalho complicado para encontrar o Higgs. Figura capturada da página : http://www.englishblog.com/2012/07/higgs-boson-cartoons.html#.UER8fkRhq6B

ATLAS Higgs to gamma gamma plot

Massa do par Higgs para gamma gamma medida pelo detector. Para maiores informações, veja https://twiki.cern.ch/twiki/bin/view/AtlasPublic/HiggsPublicResults

Veja a figura acima (encontrada na web – veja o link no texto da figura). A brincadeira é muito próxima da realidade. Para encontrar um Higgs, deve haver uma extensiva procura. Veja por exemplo, a figura da detecção do Higgs pelo detector ATLAS. Nessa figura, a quantidade de candidatos à Higgs aparece como um pequeno excesso (cerca de 230-250 eventos nos quatro bins entre 122 e 130 GeV). Veja na parte superior da figura que esse excesso acontece sobre cerca de 8000 eventos (distribuídos em quatro bins do histograma). E isso, depois da seleção do trigger e da análise offline, por uma pequena faixa de massa e para os eventos nos quais dois fótons foram encontrados. Em princípio, deveríamos ter mais Higgs (cerca de 400-450), mas muitos são perdidos porque seus fótons aparecem muito perto do feixe de partículas e ATLAS não os vê (ou não vê um deles, logo o par não pode ser estudado). Outros são perdidos porque os requisitos para aceitar um fóton são muitos restritivos e a chance de se perder um deles é relativamente alta. Assim, perder uma fração destes eventos é muito ruim, mas inevitável dadas as condições experimentais. Outro fato remarcável é que não podemos saber quais 250 dos 8250 eventos são realmente relativos ao Higgs. Apenas sabemos que o Higgs contribui para o aumento da taxa de eventos naquela faixa de massa. O pesquisadores tentam inventar novas técnicas inteligentes que permitam evitar os 8000 eventos desnecessários, mas essa não é uma tarefa simples. Se uma nova técnica for desenvolvida, ela vai acabar sendo aplicada no trigger.

Para a seção de vídeos deste post, eu gostaria de aproveitar para fazer uma pequena propaganda de algumas fontes de informações. Assim, gravei uma rápida seção de trabalho em duas ferramentas que são utilizadas na sala de Controle do ATLAS para visualizar uma pequena fração dos eventos adquiridos enquanto o experimento está tomando dados. O primeiro está disponível no site atlas.ch com o nome de live events (eventos ao vivo – visite o link!). Demora cerca de 15 a 20 segundos para se trocar o evento. Outra ferramenta é a Camelia que pode fazer imagens 3D dos eventos vindos diretamente do detector ATLAS, e você pode brincar com o detector. O ponto importante aqui é observar que uma amostra aleatória é basicamente composta com eventos com pouco sinal (muitos traços com pouco momento) mas quase nenhuma atividade no calorímetro. Se você esperar algum tempo, você verá alguns eventos com um nível de atividade razoável. Isso demonstra o quanto precisamos fazer uma seleção forte para evitar desperdício de tempo e espaço de dados com eventos triviais. Talvez seja mais prático ver estes eventos em tela cheia.

Também tentei fazer uma análise rápida de alguns eventos pré-gravados no terceiro vídeo. No primeiro, vemos dois jatos num mesmo evento (podem ser dois fótons não corretamente identificados) e, depois, vemos dois múons. Somando o momentum desses múons, podemos ver que a massa do par (93 GeV/c2) é muito próxima à do bóson Z (91 GeV/c2).

No próximo post, veremos os três níveis de trigger do ATLAS acessando a cada nível mais detalhes do detector. Quando chegamos no nível de seleção do trigger por software, provavelmente teremos um post sobre computação neste ambiente (o algoritmo tem que tomar decisões rápidas mesmo que seja a perder um pouco de precisão!). Se você está interessado em como funcionam os detectores, revise meu últimos três posts (primeiro, segundo e terceiro). Você vai precisar disso para entender o trigger.

Share

How a calorimeter works – part 3

Thursday, August 16th, 2012

Portuguese text below….

So, in the last two (first and second) posts about how a calorimeter works, I explained how a particle enters in such detectors, loose its energy producing a shower of other particles and finally how this shower provokes the generation of an electrical signal thanks to the “sampling material”. One detail that is important not to forget is that we have a large number of electrodes (hence, calorimeter “cells” – around 187 thousand of them) collecting information on energy deposition in the calorimeter. A good electron shower can be composed of as many as a few hundred cells. For sure it is very important to measure the signal in every cell for every collision event that happens in ATLAS and that is not exactly something very easy to do. Let’s understand how this is done.

First, I propose to watch the left 12 secs video below. It is an extract of the previous videos on how a particle makes the shower inside the ATLAS Liquid Argon Calorimeter, but now really focusing in the two important parts necessary to understand the format of the output electric signal. First, you see a particle crossing the lead absorber and producing 3 particles. We follow one of these while it crosses the 2 mm space between the absorber (dark gray bar) and the copper electrode (copper-colored?!), this one with a very positive Voltage (~2000V). This space we call “the gap”. Well, despite the “slowliness” implied by the movie, this particle is very close to the speed of light. This means, that the time to cross the gap is less than 0.01 nanoseconds (that’s 0. followed by 10 zeros before the “1” appears – compare with the 25 ns of the collisions time). Even if the particle were at 10% the speed of light, that’s still around 0.1 ns, immediate in terms of LHC collisions interval. This phase is called ionization or, Charge Deposition. The electron created all the negative electrons and positive argon ions and disappeared, going to the next cell.

The second part of the signal is the drift of the electrons freed from the argon atoms towards the electrodes. In the last scene of the movie, you will see three long white trails with the electrons drifting from the absorber until the electrode. If you were in the top of a relatively tall building letting some water leak to the floor and, all of a sudden, you cut the flow, people looking at the column of water would still see the top of the water column falling for a few seconds. That’s exactly the same thing, except that instead of water flow we have electrons flow and in the place of gravity we have the electric pull of the electrons by the positive electrode. During sometime (~400 ns), the electrons will be drifting to the electrode and as time goes by you will have less electrons (again, this movie is part of ATLAS episode II – see here the complete part 1 and part 2 of this movie in English!).

Now, let’s see the signal shape. This is in the second movie. First, you got basically no signal (that never exists in electronics – I should say : you got only noise!). Then, the fast electron crosses almost immediately the gap and you get the highest possible signal. The higher the initial electron energy, the higher the number of electrons freed from the argon atoms and the higher is this initial current. So, all we care for measurement purposes would be this initial current peak. The rest of the time the current gets dimmer and dimmer until we got only noise again. When the time scale on the movie changes, you are just seeing the drift moment. Now, in reality you never see this triangle. All you see is the single measurement value and you have to take a decision about when to “catch” the pulse value. Trying to catch too many tens of samples represents an extra load to the electronics usually hitting a power heating or a data amount limitation and you have to be able to sample as least as possible.

The whole thing happens very quickly, so, you have to use some electronic device to find a better way to work this out. Let’s consider the 3 pictures below. The value is the one marked with a star. In the first picture it is obvious that the shot was taken too soon, our artist was not even in the studio. This means we lost the signal (energy measured = noise!). The second picture is the perfect sampling of the signal at the curve peak. If we always could do like that, this would be perfect. However, most of the time, you would be getting the signal after the peak was reached (third picture) and the energy of the cell would be underestimated. This is very bad.

Sampling of the calorimeter signal performed too early

Sampling of the calorimeter signal performed too early

Sampling of a calorimeter pulse taken at the best timing (pulse peak)

Sampling of a calorimeter pulse taken at the best timing (pulse peak)

Sampling of a calorimeter signal taken too late

Sampling of a calorimeter signal taken too late

So, instead of trying to sample the direct signal and certainly making a mistake, we use an electronic circuit that re-shapes the signal. This circuit stretches the fast rising part so that, in the end, the peak value information is distributed over a much longer time spam (something like 125 ns). The shaped pulse is shown in the figure below together with the original pulse. Now, multiple samples (5) at regular time intervals of this structure are acquired by an analogue-to-digital converter circuit which produces digital numbers related to the pulse value at the sampling moment (marked by dots in the shaped pulse). Using these numbers, it is possible to make a best guess (or what one like to call technically a “fit”) of what the shaped pulse really is, including its height, even if the signal is shifted of 1 or 2 ns. And from that, we can calculate the energy in the cell.

LAr Pulse its shaped version and the samples

LAr Pulse its shaped version and the samples

Due to the very long pulse (400 ns) and the very short interval between collisions (25 ns), it is not impossible (rather, highly probable) that a given cell will receive the signal from one collision while the signal from a previous collision is still in the drifting phase. This effect is called pileUp, and we will discuss it in a much later post.

The discussion today involved complex topics in engineering and physics applied to the detector signal. Design of a good stable and cheap shaping filter, sampling the signal at a cost and power effective rate, dealing with pile Up and performing energy calculation are quite general topics and many different detectors use similar techniques. Many of these topics are whole areas of study, specially in engineering. The signals produced by a detector are usually very fast or very slow and the shaping helps to extract their meaningful properties. For instance, for the Tile Calorimeter discussed in the previous post, the whole pulse is very short (a few ns) and you have to completely stretch it, while maintaining the area produced by the original signal (proportional to the light captured).

Now we will stop the section on how a calorimeter works and we will start another one on how the trigger works to select good collisions for Higgs (??) candidates!

Portuguese part :

Nos últimos dois (primeiro e segundo) posts sobre o funcionamento de um calorímetro, expliquei como uma partícula entra em tais detectores, perde sua energia produzindo uma cascata de outras partículas e, finalmente, como essa partícula provoca a geração de um sinal elétrico graças ao material de amostragem. Um detalhe importante é que o enorme número de eletrodos (ou seja, “células” do calorímetro – cerca de 187 mil) coletam a deposição de energia em todo o calorímetro. Uma cascata razoável de elétrons pode ser composta de algumas centenas destas células. Obviamente é muito importante medir o sinal em todas as células para cada evento de colisão que acontece no ATLAS e essa não é uma tarefa tão simples. Vamos entender como isto é feito.

Primeiramente, podemos ver um filme de 12 segundos no quadro abaixo à esquerda. É um pequeno extrato de um dos vídeos que discutimos anteriormente mostrando uma partícula produzindo a cascada no calorímetro de Argônio Líquido do ATLAS, mas agora focando na geração do sinal elétrico. Primeiro, pode-se ver uma partícula cruzando o absorvedor de chumbo e se produzindo 3 partículas. Seguimos uma destas enquanto ela cruza o pequeno espaço de 2 mm entre o absorvedor (barra cinza escura) e o eletrodo de cobre (na cor do cobre, obviamente! 😉 ) que mantém uma Voltagem alta positiva (~2000V). Apesar da lentidão que o vídeo parece implicar, o elétron está praticamente a velocidade da luz, e isso significa que ele cruza o pequeno intervalo em menos de 0.01 nanosegundo (Ou seja, um “0.” seguido de dez zeros antes de aparecer o “1” – compare com o tempo entre colisões no LHC – 25 ns). Mesmo que fosse um elétron lento (10% da velocidade da luz), ainda teríamos 0.1 ns. Essa fase é chamada de ionização ou Deposição de Carga. O elétron criou todas as cargas negativas e íons positivos dos átomos de Argônio e desapareceu indo para a próxima célula.

A segunda parte do sinal é a tração dos elétrons liberados dos átomos de argônio na direção dos eletrodos. Na última cena do filme, podemos ver os três longos traços brancos relativos aos elétrons atraídos desde o absorvedor até o eletrodo. Se você estivesse no alto de um prédio relativamente alto e observando um vazamento de água até o solo e, de repente, você cortasse o fluxo de água, pessoas observando a coluna de líquido veriam o topo desta coluna demorando alguns segundos até chegar no solo. O efeito é o mesmo para os elétrons, exceto que temos elétrons em vez de água e em vez da força da gravidade temos a atração elétrica do eletrodo positivo!! Durante um certo intervalo de tempo (cerca de 400 ns), os elétrons estarão se dirigindo para o eletrodo e cada vez teremos menos elétrons (Uma vez mais, este filme é parte do Episódio II do ATLAS – veja o filme completo parte 1 e parte 2 deste filme em Inglês).

Agora, vejamos o formato do sinal. Este se encontra no segundo filme. Primeiramente não temos nenhum sinal (isso não existe em eletrônica – eu deveria dizer que só temos ruído!). Então, o elétron rápido cruza praticamente de forma imediata o intervalo e o sinal atinge o seu máximo. Quanto maior a energia do elétron inicial, maior o número de elétrons liberados dos átomos de Argônio e maior é este pico de corrente. Dessa forma, o único valor importante para se realizar a medida da energia é o valor do pico inicial. No resto do tempo, a corrente vai diminuindo lentamente até atingirmos o valor de ruído de novo. Quando a escala de tempo do filme muda, já estamos na parte de tração dos elétrons. Na realidade, o triângulo que se forma no filme não pode realmente ser visto. Tudo o que se vê é o valor a ser medido e temos que tomar a melhor decisão sobre quando realizar a medida. Realizar a medida muitas dezenas de vezes seria o melhor, mas, infelizmente, há um aumento de custo, consumo e dados produzidos, tornando a eletrônica impossível de ser construída. Isso nos leva a tentar capturar o mínimo possível de amostras.

Como a coisa toda acontece muito rapidamente, você tem que usar alguma eletrônica para encontrar uma melhor forma de resolver este problema. Considere as três figuras abaixo. O valor obtido é marcado com uma estrela. No primeiro desenho está claro que a “foto” foi tirada muito cedo, tendo o artista ainda nem entrado na sala. Isso significa que perdemos o sinal (energia medida = nível de ruído!!). No segundo desenho vemos a amostragem perfeita, exatamente no pico. Entretanto, na maior parte das vezes, só conseguimos medir o sinal depois que o pico foi atingido (terceira figura) e a energia da célula fica sub-estimada. Obviamente, isso não é muito bom.

Sampling of the calorimeter signal performed too early

Colhendo a amostra do sinal do Calorímetro muito cedo

Sampling of a calorimeter pulse taken at the best timing (pulse peak)

Colhendo a amostra do sinal do Calorímetro no momento certo (pico de sinal)

Sampling of a calorimeter signal taken too late

Colhendo a amostra do sinal do Calorímetro muito tarde

Para se resolver esse problema, em vez de tentar medir amostras do sinal direto e, quase sempre fazer uma medida errada, usamos um circuito eletrônico que modifica a forma do sinal. Este circuito estica a parte relativa à subida rápida do pulso, “espalhando” a informação num período de tempo bem mais longo (cerca de 125ns). O pulso assim reformatado aparece na figura abaixo junto com o pulso original. Agora, diferentes amostras (5) a intervalos regulares desta estrutura podem ser adquiridas por um circuito que faz a conversão analógico pra digital, produzindo números relativos ao valor do pulso a cada amostra (marcados como pontos no sinal reformatado). Usando estes números, é possível se obter uma “melhor estimativa” (tecnicamente chamada de um “fit”) do que o pulso formato realmente é, incluindo o seu pico, mesmo que o sinal esteja ligeiramente deslocado de 1 ou 2 ns. A partir dessa informação, podemos calcular a energia da célula.

O Pulso do Calorímetro, seu sinal reformatado e suas amostras

O Pulso do Calorímetro, seu sinal reformatado e suas amostras

Como o pulso físico é muito longo (400 ns) e o intervalo entre colisões é bastante curto (25 ns), não é impossível (e na verdade é muito provável) que uma certa célula receba o sinal de uma colisão enquanto o sinal da colisão anterior ainda esta na fase de atração dos elétrons. Este efeito é chamado de empilhamento (PileUp) e discutiremos ele num post futuro.

A discussão de hoje envolveu tópicos complexos em engenharia e física aplicadas ao sinal do detector. O design de um filtro de formatação do sinal estável e barato, amostragem do sinal de forma eficiente em termos de custo e potência utilizada, lidar com o efeito de empilhamento e executar rapidamente o cálculo de energia são tópicos muito gerais e técnicas similares são utilizadas em diferentes detectores. Muitos destes tópicos são áreas inteiras de estudo, especialmente em engenharia. Os sinais produzidos pelos detectores são, normalmente, muito rápidos ou muito lentos e a reformatação ajuda muito a extrair as propriedades realmente importantes. Por exemplo, o Calorímetro de Telhas que discutimos no post anterior tem um sinal rápido demais e a reformatação estica o mesmo enquanto mantém a área sob a curva que é proporcional à energia (proporcional à luz capturada!).

Agora nós vamos fazer uma pausa na seção sobre o funcionamento do calorímetro e vamos começar a discutir o funcionamento do sistema de seleção chamado de Trigger. Este sistema foi responsável por escolher os bons eventos candidatos a Higgs!

Aproveito pra re-anunciar o canal ATLAS/Brasil, agora com uma página melhorada e com mais 9 vídeos :
http://atlas-live-public.web.cern.ch/atlas-live-public/brazil/index.html

Share

How a calorimeter works – part 2

Thursday, August 2nd, 2012



Portuguese version below…

So, I am finally back from vacation, with the email list almost cleaned up and a list of tasks ready to start piling up before I can do anything.. In a nutshell : the usual working life. The last time I posted something, the idea was to explain how a particle, like an electron, a photon or a neutron enters in the detector called calorimeter, hits the material named the absorber and gets a part of its original energy (speed!) converted into a little shower of particles. Part of this energy however gets sampled by a material called (see how physicists can be very creative sometimes) the sampling material. So, what happens in the sampling material of the two ATLAS calorimeters and how we can use this information to “measure” the final energy of the incoming particle?

The sampling material uses some basic physics process to convert the energy it receives into some other physical quantity. The smart thing physicists try to do is to make this “other physical quantity” something easy to measure. Let’s start with a very simple example. In your home, you probably still have either in your wall or in your medical box an old style thermometer. I mean, not a digital one. It is built with a small scale and a little pipe containing either artificially colored alcohol (the wall thermometer) or mercury (the medical box one). When it receives heat from air or a person’s body, the atoms of such “sampling” materials get very agitated. Due to that, the same number of molecules now occupy a much larger space, increasing the necessary volume to contain them. This translates into a longer column which we can easily readout.

In here, we can identify all the elements of the sampling process. First, the heat modifies some inner property of the sampling material considered (their internal heat or movement of the material). Then, the material responds with some global change in a larger scale (its volume increases) and, in consequence, you can now measure with light and some light receiver (your eyes) the shift in the top position of the alcohol or mercury column.

Now, let’s see the case of the liquid argon (electromagnetic calorimeter) of ATLAS. You might want to review the discussion about the absorption process on the previous post. Again, to illustrate, let’s see an extract of the ATLAS Episode II movie, that you can see completely in youtube (part 1 and part 2). There, we followed an electron as it enters the electromagnetic calorimeter and looses its energy by producing a huge shower of particles thanks to the lead absorbers. When the electron is not in the absorber material, it is walking through argon cooled to -185 oC in order to be kept liquid. The electron, or the particles that come out of it, crosses many atoms of Argon, giving so much energy to the argon electrons, that many of of them get free from the argon nuclei in a process called ionization (see the white little dots in the movie!). The argon electron is now a little negative free charge and the rest of the atom is a positive free charge (yellow). Remember that between one accordion plate and the next one, there are copper plates, the electrodes. Between the electrodes, there is a very high voltage (2000V – almost 10 times the voltage in an electric wall plug in an European home). Such high voltage in a very small gap (~2mm) and a bunch of free electrons is a shocking combination, a bit like throwing a small wire on an electric fence. Usually, the high voltage would not cause electrons to travel from one plate to the other, but now that they were freed by the particle’s energy, they will be collected by the positive electrode, generating an electric current. The intensity of this current relates to the energy that the particle lost in the region around the electrode (this region, we call a cell). The current sparks quite quickly (around 400 ns – you will later see that this is actually not as quick as we would love to!) and this is the “other physical quantity” that we can measure. Using this information, we can calculate back the energy of the original particle that entered the calorimeter.

Those interested in seeing a nice, live example of the ionization process are invited to check how to build a cosmic ray detector (sorry for the “idiot”!) and a little video I recorded during a conference (CHEP2010) of a little device called Cloud Chamber (no relation to Harry Potter!).

I would also like to show an example of a particle entering the hadronic calorimeter of ATLAS called Tile Calorimeter. We will use another extract of the ATLAS Episode II Movie to see it. In this video, we start by seeing the iron absorbers (gray) and the plastic scintillating plates (the “Tiles”, drawn in Violet). The absorption part is very similar to the Liquid Argon calorimeter (particle hits, particle looses energy, shower forms) with the difference that particles hit the nuclei and NOT the atoms as in the EM calorimeter case. The sampling material is an special plastic. The particles passing inside this plastic excite the electrons of the atoms that compose it. Not enough to ionize it as in the argon (the electron stays attached to the nucleus but a bit farther away than its usual “orbit”). When the electron return to its natural position, the energy is released back in the form of photons, or, to simplify, light of a very specific frequency (or a specific color, coincidence : Violet). Some of these photons will be collected by an optical fiber and send to a special device that converts light into an electrical signal, a photomultiplier (some of you may have played with that if your school ever had a project to build cosmic ray detectors!). See a photo of Cíbran Santamarina Rios, a colleague from Galicia beside a plastic scintillator detector (the photomultiplier I hope I am saying this right, is in the bottom of the plastic plate – protected by a black cover!).

Photo with Ph.D Cibran Santamarina Rios assembling a cosmic rays detector

Photo with Ph.D Cibran Santamarina Rios assembling a cosmic rays detector

In the next post, I will discuss a bit the outcome of the sampling process : the electrical signal and how it can be used to calculate the energy of a particle, specially when multiple particles hit the calorimeter in different collisions. This concludes our session on “How the detector works”. Then, we will discuss how the trigger works to select particles for a discovery!!!!

Portuguese version :

Finalmente de volta das férias, com uma lista de emails quase limpa e uma lista de tarefas começando a crescer antes que eu possa tentar fazer algo… Em resumo, uma semana normal de trabalho. Na última vez que postei algo, a idéia era explicar como uma partícula tal como um elétron, um fóton ou um nêutron entra num detetor chamado de calorímetro, bate num material denominado absorvedor e perde parte de sua energia, que estava acumulada na forma de velocidade, na forma de uma cascata de partículas. Parte dessa energia, entretanto, sensibiliza um material chamado “material de amostragem” (o termo vem de amostra, parte de um todo que o representa). Assim sendo, como podemos usar o material de amostragem no caso dos dois calorímetros do ATLAS para medir a energia das partículas que entram nestes detetores?

O material de amostragem usa alguns princípios básicos de física para converter a energia que recebe em algum outro valor com significado físico. A esperteza está em tentar fazer esse “outro valor” ser algo fácil de medir. Comecemos com um exemplo bem simples. Em sua casa, Vocês ainda devem ter em sua parede ou na caixinha de remédios um termômetro antigo (não digital). Esse termômetro é constituído de uma pequena escala com as temperaturas e um tubinho contendo álcool colorido (termômetro de parede) ou mercúrio (o da caixinha de remédios). Quando o termômetro recebe calor do ar ou do corpo de uma pessoa, os átomos desse material de “amostragem” ficam muito agitados. Desta forma, um dado número de moléculas passa a ocupar um volume bem maior. Isso se traduz numa coluna mais longa que pode ser facilmente lida.

Neste exemplo, podemos identificar todos os elementos do processo de amostragem. Primeiro, o calor modifica uma propriedade interna do material de amostragem (o seu “calor interno” ou o movimento de seus átomos). Depois, o material responde com uma mudança global numa escala mais larga (seu volume cresce) e, em conseqüência, pode-se medir com luz e um receptor de luz (os olhos do observador) a variação da posição do topo da coluna de mercúrio ou álcool.

Agora vejamos o caso do Argônio líquido usado no calorímetro eletromagnético do ATLAS. Talvez valha a pena rever a discussão sobre o processo de absorção no último post. De novo, para ilustrar, vejamos um exemplo do filme Episódio II do ATLAS, que pode ser visto na íntegra no youtube (parte 1 e parte 2). Naquele exemplo, seguimos um elétron que entra no calorímetro eletromagnético e perde sua energia se transformando numa enorme cascata de partícula graças aos absorvedores de chumbo. Quando o elétron não está no material absorvedor, ele está atravessando o Argônio refrigerado a -185 oC para se manter líquido. O elétron, ou as partículas produzidas por ele, atravessam muitos átomos de Argônio, dando tanta energia aos elétrons destes átomos que muitos deles se liberam de seus núcleos atômicos num processo chamado de ionização (veja os pontos brancos no filme!). O elétron do Argônio é agora uma carga elétrica negativa livre e o resto do átomo uma carga positiva (em amarelo). Lembre-se que entre uma placa do acordeão e a próxima, existem placas de cobre chamadas de eletrodos e que entre estes eletrodos há uma altíssima voltagem (2000 V – quase 10 vezes a voltagem de uma tomada na Europa). Essa voltagem aplicada entre placas tão próximas umas das outras (cerca de 2mm de distância) com um grupo de elétrons livres no meio é uma combinação “chocante”! O que acontece não é muito diferente do que se vê quando um pequeno fio de metal é jogado numa cerca eletrificada. Usualmente, a alta voltagem não causa o “passeio” de elétrons, mas quando eles são libertados pela energia da partícula, eles podem ser coletados pelo eletrodo positivo gerando uma corrente elétrica. A intensidade da corrente se relaciona com a energia que a partícula perdeu na região vizinha ao eletrodo, que chamamos de célula. A corrente cria uma centelha que desaparece rapidamente (cerca de 400ns – mais tarde veremos que esse tempo não é tão curto quanto gostaríamos!) e esse é o “outro valor” com significado físico que podemos medir. Usando essa informação, podemos calcular a energia da partícula inicial que entrou no calorímetro.

Aqueles interessados num exemplo vivo sobre o processo de ionização são convidados a ver como construir um detetor de raios cósmicos e um pequeno vídeo que gravei durante uma conferência (CHEP2010) de uma câmera de núvens.

Eu também queria mostrar um exemplo de uma partícula entrando no calorímetro hadrônico do ATLAS, chamado de calorímetro de Telhas (Tile Calorimeter). Vamos usar outro pequeno filme Episódio II para entender o que acontece. Nesse vídeo, vemos os absorvedores de ferro (cinza) e as placas cintiladoras (as “Telhas”, desenhadas em Violeta). A parte referente à absorção é muito parecida com o que vimos para o calorímetro eletromagnético (partícula bate, partícula perde energia, cascata de partículas se forma) com a diferença que as partículas agora batem nos núcleos dos átomos e não os átomos em si como no calorímetro de Argônio. O material de amostragem, neste caso, é um plástico especial. As partículas passando dentro deste plástico perturbam os elétrons que compõe o mesmo. Não o suficiente para ionizá-lo como acontece com o Argônio : o elétron continua ligado ao núcleo mas fica um pouco mais distante que sua “órbita” usual. Quando o elétron volta a sua posição natural, a energia é devolvida na forma de fótons, ou, para simplificar, luz de uma freqüência específica (de cor, coincidência : Violeta!). Alguns destes fótons são coletados por um sistema de fibras óticas e enviados para um aparelho especial que converte luz em sinal elétrico, uma fotomultiplicadora (alguns de vocês podem ter brincado com tal aparelho se sua escola tentou realizar um projeto para construção de detetores de raios cósmicos!). Veja uma foto de Cíbran Santamarina Rios, um amigo da Galicia ao lado de um detetor plástico cintilador (a fotomultiplicadora aparece embaixo da placa cintiladora protegida por um protetor negro).

Foto do Ph.D Cibran Santamarina Rios montando um detetor de raios cósmicos

Foto do Ph.D Cibran Santamarina Rios montando um detetor de raios cósmicos

No próximo post, pretendo discutir um pouco o resultado do processo de amostragem : o sinal elétrico produzido e que pode ser usado para se calcular a energia da partícula, especialmente quando a partícula atinge o calorímetro em diferentes colisões. Assim, vamos concluir a seção sobre “como funciona um detetor de partículas”. Depois, discutiremos como funciona o sistema de seleção de eventos, tão importante para as descobertas!

Ah! E quase tinha esquecido. O canal ATLAS/Brasil agora tem uma nova pagina e formatação :
http://atlas-live-public.web.cern.ch/atlas-live-public/brazil/index.html

Share

How a calorimeter works – part 1

Monday, July 16th, 2012

Portuguese version below…

In my last posting I tried to give a very general view of what happens when protons knock each other inside the LHC beam pipe. Many of the heavy particles produced, like the Z boson, don’t survive long enough to reach any detector. Some of the very light ones, like an electron, a muon or a photon actually travel through lots of material and leave some “detectable” traces. So, as detectives, we collect this information with our gigantic detectors and play around to find everything we can about as many collision events as possible. And yes, you may have just caught what I wrote there : a photon (a particle of light) can pass, in such extreme conditions, a great amount of material. That is very true and happens in every collision of the LHC!

So.. What do we do with these traces? We use different detectors which are specialized in the different kinds of particles that can show up. Today I will talk about the detectors with which I worked all my professional life : Calorimeters.. If you look for calorimeter in the Wikipedia, you will find that “Calor” is the latin for “heat”. These are detectors that can measure heat or, in the case of high energy physics, particle’s energy! Well, there is also an entry about Calorimeter in particle physics in the Wikipedia, which, by the way, may need some improvement!

In a nutshell, one can think of the particle physics calorimeter inner working as not being very different from the “regular” calorimeter. Particles with very high energies enter, loose their energy and somehow “warm up” some material and a form of thermometer. In the particle physics calorimeter, the incoming particle hits atoms or atoms nucleus of a material which is named the absorber. It does not warm (too much!) that material, but it rather suffers reactions similar to the ones of the protons in the beam. The energy of the particle hitting the absorber will be converted in multiple particles inside the absorber which will carry a fraction of the initial particle energy. This forms a shower of particles in the detector structure. Usually interleaved with the absorbers, another material, the sampling material (the thermometer!) converts a very small fraction of the shower energy in some measurable quantity (light, electric current, etc). If you can estimate precisely which fraction of the energy is lost (so, not measured!) in the absorbers and which fraction stimulates the sampling material (so, IS measured!), we can figure out the total energy of the original particle! Maybe here, a very curious person would ask why we don’t make a calorimeter only with sampling material. A very simple quick answer is that the amount of sampling material to completely contain the shower and measure a very high energy particle would make a very very big calorimeter (many tens of meters). So, we have to use the absorbers!

See a shower forming as an electron invades the structure of the ATLAS Electromagnetic Calorimeter in this video. The sound is in English and the subtitles in portuguese. This video is an extract of the “ATLAS – Episode II”, the complete version being fully available at youtube (part 1 and part 2). In this case, the absorbers are lead plates organized in a funny accordion shape which convert the energy of the original particle into multiple ones with smaller energy (see the real lead plates here). The sampling material (that initially amazed me a lot) is liquid argon (at -185oC!!). Because of that, the whole calorimeter is installed in a gigantic vessel (see a photo!). We will talk about the sampling process later. The calorimeter is divided into cells formed by the electrodes in the video which collect the energy in a their vicinity. Very detailed algorithms pick up which cells were activated by the shower and calculate the shower energy and geometry.

There is another very interesting fact that happens thanks to the absorbers. Imagine that you are a very high speed photon or electron heading to a wall of lead. Since you are an electron or photon you “see” to other electrons thanks to the electromagnetic force, including the electrons from the lead. I find easier to understand if you imagine a wall filled with plastic bubbles (with 100 m diameter) which are the lead atoms. You (the electron) will certainly very quickly hit one ball and loose your speed and energy. Now, suppose that you are a hadronic particle (like a proton or a neutron), you see very little the bubbles. Actually, a hadronic particle interacts mostly over the strong force, so, mostly with the atoms nucleus. If the electron-sphere were 100 m, the nuclei is only a millimeter, so, very, very tiny and with lots of space between then (at least 100 m!). This way, the plastic bubbles disappear and you can now cross a much larger amount of material without finding anything to stop you. So, the shower will start much deeper in the detector, depending on whether you are an electron or a neutron or proton. This way, the calorimeter can cope with two tasks at the same time : They give you a measurement of the particle’s energy AND allow you to perform particle identification. Both tasks make these devices very attractive and quite often found in High Energy Physics. Recently, a calorimeter of lead/scintillator fibers was sent to space in the AMS detector!

To illustrate, I picked up two events in the ATLAS Calorimeter. In one, a di-photon, you see that the photons leave two small yellow bands in the green section (EM calorimeter) but never touch the red section (the hadronic calorimeter). In the second picture, of an event with two jets, we see that these, being hadronic like protons or neutrons, cross the full EM calorimeter up to the hadronic one. So, hadronic particles go deeper in the detector as discussed above.

Double Photon

Di-photon event in ATLAS

DiJet Event

Di-Jet event in ATLAS

Hope you had enjoyed this view of a calorimeter. Next week, I will take a little pause as it is vacation time! But on the next one, I will discuss how to go from the sampling material to an electric pulse in both main ATLAS calorimeters (Lar and Tile, as they are called!!).

Portuguese version :

No meu último post, eu tentei dar uma visão bem geral do que acontece quantos os prótons se encontram dentro do feixe do LHC. Muitas das partículas produzidas, por exemplo, um bóson Z, não sobrevivem um tempo suficiente para atingir os detetores. Algumas das partículas mais leves tais como um elétron, um múon ou um fóton, conseguem atravessar uma grande quantidade de material e deixar
alguns traços “detectáveis”. Assim, como detetives chegando na cena do crime, podemos coletar estas informações com nossos imensos detetores e tentar descobrir todos os detalhes possíveis num enorme número de colisões! E, sim, você talvez tenha percebido algo interessante que eu escrevi acima : um fóton (partícula de luz) pode atravessar, nessas condições extremas, uma grande quantidade de material. Isso acontece em todas as colisões do LHC!

Assim sendo, o que fazemos com tais traços? Usamos diferentes detetores especializados nos diferentes tipos de partículas que possam vir a aparecer. Hoje, eu vou comentar sobre o detetor com o qual eu trabalhei por toda minha vida profissional : O Calorímetro. Se você procurar a palavra “calorímetro” na Wikipedia, você verá que estes são equipamentos que medem calor, ou, no caso da física de altas energias, a energia das partículas! Em inglês, existe também um verbete pra calorímetros da física de partícula na Wikipedia, embora, ele pareça carecer de detalhes.

Resumindo, podemos pensar no funcionamento do calorímetro da física de partículas de forma similar ao “calorímetro” regular. As partículas com muita energia entram, perdem sua energia e de alguma forma “esquentam” o material e um termômetro. No caso da física de partículas, as partículas entram num material chamado de absorvedor*, se chocando contra seus átomos ou os núcleos de seus átomos. Na realidade o material não esquenta (muito! Um pouco pode esquentar!), mas a partícula original sofre o mesmo tipo de reação que os prótons do feixe, ou seja, a partícula vai bater nos átomos do absorvedor e perder sua energia na forma de outras partículas com uma menor energia. Dessa forma, uma cascata de partículas se forma na estrutura do detetor. Normalmente, misturado com o material absorvedor, outro material, chamado de material de amostragem (o termômetro!) converte uma pequena fração da energia da cascata em algo mensurável, tal como luz ou corrente elétrica. Se for possível calcular a proporção entre a energia perdida (ou seja, não medida porque se perdeu no absovedor) e a energia que estimula o material de amostragem (logo, que é medida de verdade!), podemos calcular a energia total da partícula! Uma pessoa mais curiosa pode perguntar porque não fazemos o calorímetro inteiro com o material de amostragem. A resposta mais rápida e simples é que o calorímetro iria precisar de muito material pra conter a cascata e medir a energia de uma partícula. Assim sendo, o calorímetro ficaria gigantesco (dezenas de metros). Por isso, usamos os absorvedores.

Veja como uma cascata se forma quando um elétron invade a estrutura do Calorímetro Eletromagnético do ATLAS nesse vídeo. O som é em inglês com subtítulos em português. Este vídeo foi extraído do filme “ATLAS – Episódio II”, cuja versão completa está disponível em inglês no youtube (parte 1 and parte 2) ou com subtítulos em português no nosso canal ATLAS / Brasil . Neste caso, os absovedores são placas de chumbo organizadas no formato de acordeão que converte a energia da partícula original em várias outras de menor energia (veja as placas de chumbo aqui). O material de amostragem nesse caso (e isso sempre me impressionou muito) é o Argônio Líquido (a -185oC). Por isso o calorímetro está instalado numa vasilha gigantesca (veja essa foto). Falaremos mais sobre a amostragem no próximo post. O calorímetro é dividido em células formadas pelos eletrodos que aparecem no vídeo que coletam a energia numa certa vizinhança das células. Algoritmos especiais conseguem descobrir quais células foram ativadas pela cascata e qual sua energia. Dessa forma, podemos saber a energia e o formato da cascata.

Há um outro fato muito interessante sobre os absorvedores. Imagine que você é um elétron ou fóton atravessando o espaço a uma velocidade altíssima. Como você é um elétron ou um fóton, você vê outros elétrons graças a força eletromagnética, incluindo os elétrons das placas de chumbo. Eu creio ser mais fácil de entender se você imaginar uma parede de bolhas de plástico com 100 m de diâmetro que representam os átomos de chumbo na parede. Você (o elétron) certamente vai bater numa dessas bolhas e perder sua velocidade e energia. Agora suponha que você é uma partícula hadrônica (como um próton ou nêutron). Você vê muito pouco as bolhas. Uma partícula hadrônica, na verdade, interage na maior parte das vezes através da força nuclear forte, ou seja, só com os núcleos dos átomos.  Se as elétron-esferas, fossem de 100 m, os núcleos teriam apenas um milímetro, ou seja, muito, muito pequenos e com uma grande espaço (pelo menos 100 m) livre entre eles. Assim sendo, as bolhas de plástico desaparecem e você pode agora viajar por um comprimento muito mais longo sem que nada o interrompa. Assim, a cascata vai começar muito mais profundamente no detetor. Dessa forma, o calorímetro pode executar duas tarefas ao mesmo tempo : Ele pode fornecer uma medida da energia da partícula E ajudar na identificação da partícula. Ambas as tarefas fazem com que estes aparatos sejam muito atraentes e muito usados na física de altas energias. Recentemente, um calorímetro de chumbo com cintiladores plásticos foi enviado para o espaço no detetor AMS!

Para ilustrar, selecionei dois eventos no detector ATLAS. No primeiro, um evento com dois fótons, vemos a deposição de energia acontecendo como dois sinais marcados em amarelo na primeira seção (eletromagnética) do calorímetro em verde. Vemos que estes sinais nunca tocam a segunda seção (hadrônica). Na segunda figura, vemos um evento com dois jatos. Cada um dos jatos atravessa o calorímetro electromagnético e chega a depositar uma grande quantidade de energia na parte mais profunda do detetor, como tinhamos discutido.

Double Photon

Evento Di-photon no ATLAS

DiJet Event

Evento Di-Jet no ATLAS

Espero que essa tenha sido uma boa jornada no interior de um calorímetro. Na próxima semana teremos uma curta pausa de férias! Mas na outra semana, vamos discutir como funciona o material de amostragem para produzir um sinal elétrico em ambos os calorímetros do ATLAS (Lar e Tile, como são chamados!).

(* : Eu traduzi livremente – e possivelmente de forma errada – “absorber” em “absorvedor”. Aceito sugestões)

Share

How a particle detector works!!

Tuesday, July 10th, 2012

Versão em Português abaixo…

Passed the crazy week of the Higgs finding, or, if we are to keep the complete scientific correctness, the weird different particle which is most likely the one that we have been searching for “just” 30 years, well, after that I feel like it is time to explain the different pieces that contributed to such historic finding. The whole thing depends, as is often said, in a number of different factors which we will never be able to put in a few pages of a blog or anything of the sort. Still, I’d like to urge you to hang on a bit and hopefully, you will find as I do, lots of interesting little details. I will try to make a little weekly series that should tell the history of the parts of the ATLAS detector which I happen to be closer to : The ATLAS Calorimeter and Trigger systems.

Let’s start right at the moment when the huge energy accumulated by a proton (this little system of 3 massive particles called quarks and nobody knows how many gluons) is concentrated in a very small volume of space. This energy, following the famous E=mc2, crystalizes in the form of different types of particles. Many of the collisions happen at the so-called parton (a quark or a gluon) level. That means that most likely a shower of particles called a jet will come out of the collision. Well, actually, two jets will usually be produced (things must always balance!). Very rarely, however, other processes take the role and make something completely different. For instance, sometimes, they will produce a Z or W boson. Both are, in the kingdom of particles that we call the Standard Model, what we could call the heavy weights, having lots of mass (one can say more than 80 GeV – Giga-electron-Volts). These guys, when formed, have a very short life (around 3×10-25s), but don’t waste your time thinking on how many zeros do you have to write, just keep in mind that no Z’s or W’s will ever leave the small pipes that bring the protons into collision. Much before that happens, a Z, for instance, will decay, producing a pair of particles that take the energy unfrozen (if you want) in their mass as speed. So, we talk about Z->ee. The Z particle has a mass around 91 GeV and the electrons will have, on average, half of that in “speed energy”. One interesting thing that is always present in physics (check my other colleagues in this blog) is that many properties must be conserved. For instance, the Z particle has no electric charge, but the electron has a negative charge. So, actually, what we get is not a pair of electrons, but, rather, an electron-positron pair, the positron being the positive charged version of the electron, or as we call the electron antiparticle. So, if I wanted to be more rigorous, I should have written Z->e+ e, meaning that a zero charged particle results in a positive and negative charges : the sum is zero again!

The particles (and the anti-particles!) will invade the detector coming from the center (the beam pipe) crossing layers of detectors in the way and will finish their journey in the calorimeters. These devices were developed during many years and now, only in one of the ATLAS calorimeters, we are around 300 people working together!!. For now I will stop here. In the next week, I will explain what happens when each of the electrons enter in the calorimeter and how we use this information to detect the electron and make physics out of it!

To give you a quick taste of what is to come, I call your attention to two videos available in youtube. In the first one, you see the chain of accelerators with increasing size and proton energy. When we get to the LHC, the image zooms inside the tunnel and you will see the equations of the Standard Model of particles in the walls (like we would do that..) The proton will cross the French/Switzerland border in a complete illegal form (no passports!!!) and you will see the colored quarks inside the proton until they meet inside the detector. In the second collision, you will see the Z->ee event. After the collision, the software marks the two blue tracks left be the electron-position pair in the tracking detector and “illuminates” a few of the calorimeter cells represented in green in the movie. We will discuss what happens and how we can see these cells in the next postings. And, later on, you will understand the relation between detecting a Z and detecting a Higgs…
First video : http://www.youtube.com/watch?v=NhXMXiXOWAA
Second video : http://www.youtube.com/watch?v=RdYvtm4CIAE

Portugaise version :

Como Funciona um Detetor de Partículas!!

Passada a semana louca da descoberta do Higgs, ou se quisermos manter a imparcialidade e a retidão científica, a estranha e diferente partícula que muito provavelmente é aquela que estivemos procurando por “apenas” 30 anos, penso que é hora de explicar um pouco todas as peças que contribuíram para essa descoberta histórica. A coisa toda depende numa multitude de fatores os quais nunca poderemos colocar em algumas páginas de um blog. Ainda assim, peço que vocês agüentem firme e, quem sabe, vocês encontraram o mesmo prazer que eu em compreender os pequenos detalhes que fazem o sucesso dessa incrível experiência. Tentarei manter um fluxo de episódios semanais explicando como funciona a parte do ATLAS que conheço mais de perto : O Calorímetro e o Sistema de seleção do ATLAS.

Comecemos exatamente no momento em que a enorme energia acumulada por um próton (esse pequeno sistema de três partículas massivas e não sabemos quantos glúons) se concentra num pequeno volume de espaço. Seguindo o famoso E=mc2, essa energia “se cristaliza” na forma de diferentes tipos de partícula. A maior parte das colisões ocorre entre partons (quarks ou glúons), resultando numa cascata de diferentes partículas, à qual damos o nome de “jato”. Normalmente, como a experiência tem um certo balanço a respeitar, temos dois jatos sendo produzidos com energias bastante similares. Muito raramente, entretanto, outros processos acontecem e algo completamente diferente pode surgir. Por exemplo, algumas vezes, tais processos podem produzir um bóson Z ou W. Ambos são, no reinado das partículas que chamamos de Modelo Padrão, o que podemos chamar de Pesos Pesados (pode-se dizer falar de uma massa maior que 80 GeV – Giga-elétron-Volts). Tais partículas têm uma vida muito curta de 3×10-25s, mas nem perca tempo pensando em quantos zeros se deve colocar depois da virgula. Saiba apenas que um Z formado não chega jamais a tocar o tubo que traz os prótons até o ponto de colisão. Um Z decai, produzindo, um par de partículas que levam a energia contida na massa do Z. Assim, falamos de Z->ee. Como o Z tem uma massa próxima a 91 GeV, os elétrons vão carregar média metade desse valor em “energia do movimento”. Outra coisa interessante (pesquise um pouco os artigos de meus colegas nesse blog) e que é sempre importante em física é que muitas quantidades devem ser conservadas. Assim, como o Z não tem carga elétrica e o elétron tem uma carga negativa, um dos elétrons é, na verdade, um pósitron, a anti-partícula do elétron com carga positiva. Assim, o Z sem carga resulta em uma carga positiva e uma negativa : a soma é zero! Se eu quiser ser realmente rigoroso, tenho que escrever Z->e+ e.

As partículas (e as anti-partículas!) invadem o detetor vindo do centro (onde está o tubo com os feixes) atravessando camadas de detetores e terminando sua viagem nos calorímetros. Esses aparelhos foram desenvolvidos em muitos anos de estudo e, hoje em dia, apenas um dos calorímetros do ATLAS ainda precisa de 300 pessoas trabalhando continuamente!! Por agora, eu vou parar por aqui. Na próxima semana, vou explicar o que acontece quando cada um dos elétrons entra no calorímetro e como usamos essa informação para detectar o elétron e “fazer física”!

Para dar um gostinho do que está por vir, gostaria de chamar atenção de vocês pra dois vídeos disponíveis no youtube. No primeiro, vocês podem ver toda a seqüência de aceleradores com tamanho e energia cada vez maiores. Quando chegamos no LHC, a imagem entra no túnel, em cuja parede, podemos ver as equações do Modelo Padrão de partículas (como se fosse verdade!). O próton que seguimos atravessa “ilegalmente” (alguém já viu um próton com passaporte?!) a fronteira da França com a Suíça e vocês podem ver os quarks viajando dentro do próton até a colisão dentro do detetor. Na segunda colisão, vocês podem ver um evento Z->ee se formando. Depois da colisão, o programa identifica os traços deixados pelo par elétron-pósitron no detetor de traços com linhas azuis. O par também “ilumina” algumas células do calorímetro representadas em verde no filme. Vamos discutir na semana que vem o que acontece e como podemos ver essas células no próximo blog… E, mais tarde, vamos entender qual a diferença entre detectar um Z e um Higgs…

Primeiro vídeo : http://www.youtube.com/watch?v=NhXMXiXOWAA
Segundo vídeo : http://www.youtube.com/watch?v=RdYvtm4CIAE
Canal ATLAS/Brasil : http://webcast.web.cern.ch/webcast/play.php?type=permanent&event=12

Share

Still snowing.. After a long time…

Saturday, November 27th, 2010

Hello again..

After just 10/11 months, I try to write a bit again.. Maybe I can only write when there is snow around… This year, certainly, I underestimated the task. I was sure that, being so involved with development, when things got in a stable mode operation, we would have a bit of relaxed time to think more peacefully in which tasks should be performed.

How mistaken I was…

Lots of work.. Specially to make sure the ATLAS trigger is operating in perfect
shape.. The increase of luminosity demanded that all the algorithms had to
be activated (performing selections) …
Also, we moved to a new apartment on the end of January.. That was a lot of
work, of course…
My beautiful little daughter Julia was born on March 19th and, since then,
taking care of Julia and Lucca is being a wonderful and very tiring activity..

Hope I manage to keep a bit more up-to-date version of this blog…

And that the LHC keep marveling us with all the results, like the so commented
“discovery” of quark-gluon plasma..

Share

Let it snow around the LHC ring…

Thursday, January 14th, 2010

Hello, this is the first blog I am putting here.. Hope you enjoy…

In these first working weeks at CERN, as is a bit traditional, not many things happen. People are usually coming back to work, filling up the line in the bank and post office at the Meyrin site and checking the new coffee machines that, recently, are being exchanged a lot. This year, things got especially slower, as a huge amount of snow is falling in a good fraction of Europe. Even in Arles, in the south of France, many centimeters of snow fell. The coldest temperatures reached (around -5°C) are, anyway, much above the -271°C kept in the LHC magnets. To warm up and cool it down again, the LHC would need months, so, the cooling system of the collider was kept working during this whole time.

Most CERN services are kept at a very minimal level during the end of year break. A few winters ago, actually, I remember having to work in the library, one of the few places where heating was still available. Warm coffee was only available in the gas station beside the Globe. This year, at ATLAS, the detector I work on, most of the subsystems were also shut down. The detector cooling system which circulates cold water in the front-end electronics suffered a few interventions in the beginning of the week and the electronics finally started to be turned on by Wednesday. I was supposed to be on shift and take calibration data (important, specially after a long shutdown), but some systems are still not available, and this was not possible. The detector seems like a gigantic animal, waking up after a little nap. A bit lazy to start what will be probably its longest operating period as we will start data taking earlier than ever (in February) and finish much later.

For the moment, I remember the end of Die Hard II : let it snow, let it snow, let it snow.

By Denis Oliveira Damazio (BNL), 2010/01/13

Share